Notícias | Frankfurt / São Paulo, 26/06/2019

Sebastião Salgado recebe Prêmio da Paz do German Book Trade

Quando o fotógrafo brasileiro Sebastião Salgado receber o Prêmio da Paz do German Book Trade no dia 20 de outubro, na Igreja de São Paulo, em Frankfurt, no encerramento da maior feira de livros do mundo, o universo dos livros ficará mais encantado - especialmente para a Companhia das Letras, editora que faz parte da Penguim Random House.

Desde 1997, a editora publica vários livros e fotolivros feitos pelo documentarista e fotógrafo que emigrou para Paris durante a ditadura militar no Brasil e ainda hoje mora lá. Os livros de Salgado, como "Trabalhadores", "Terra", "Êxodos" e "Outras Americas", foram todos publicados pela Companhia das Letras. Pelas brilhantes fotografias nestes e em outros livros, Salgado conquistu o prêmio de 25 mil euros. Reconhecimento que acontece desde 1950 e é considerado um dos prêmios literários mais importantes da Alemanha e do mundo.

Este ano, o Conselho de Curadores do Prêmio da Paz do German Book Trade, responsável pela premiação, disse que escolheu Salgado porque ele é um "artista visual cujas fotografias dão um senso de urgência ao debate global em torno da preservação da natureza". Ao mesmo tempo, o Conselho disse que Salgado "continua a contribuir diretamente para a restauração e revitalização da biodiversidade e dos ecossistemas" com seu trabalho contínuo no Instituto Terra. O Conselho de Administração acrescenta que muitas de suas fotografias, que já foram exibidas em inúmeras exposições e em livros, mostram comunidades com fortes raízes em seus ambientes naturais tradicionais, enquanto outros retratam indivíduos violados pela guerra e pela catástrofe climática. Consequentemente, ele "conseguiu elevar a consciência mundial sobre o destino dos trabalhadores e migrantes, bem como para as condições de vida dos povos indígenas".

Salgado nasceu em 8 de fevereiro de 1944 em Aimorés (MG), onde cresceu em uma grande fazenda de gado em uma área de floresta tropical. Após estudar economia, emigrou para Paris em 1969. Em 1971, Salgado trabalhou como economista na Organização Internacional do Café (ICO), onde descobriu sua paixão pela fotografia e decidiu deixar seu emprego. Em 1973, iniciou sua carreira como fotógrafo e, desde então, vem recebendo inúmeros prêmios, incluindo associação honorária na American Academy of Arts and Letters (2019), Save the Children International Prize (2010), Rio Branco Order (2004), Century Medal of the Royal Photographic Society of Great Britain, Grand Prix National de la Photographie (1994), Prince of Asturias Prize (1998) e o World Press Photo Award (1985). Em 2016, tornou-se membro da Académie des Beaux-Arts of the Institut de France.