Notícias | Londres / Nova York, 15/10/2019

Margaret Atwood e Bernardine Evaristo são as vencedoras do Booker Prize de 2019

Após o Prêmio Nobel de Literatura de Olga Tokarczuk e o German Book Prize de Saša Stanišić, o Booker Prize da Grã-Bretanha já é o terceiro grande prêmio literário para autores da Penguin Random House em um espaço de apenas alguns dias. E, pela primeira vez desde 1992, um dos prêmios mais prestigiados do mundo de língua inglesa será concedido duas vezes: à escritora canadense Margaret Atwood e à escritora britânica Bernardine Evaristo. Ambas são autoras da Penguin Random House.

Margaret Atwood ganhou o prêmio de 50 mil libras por seu romance “The Testaments”, a sequência de seu best-seller “The Handmaid's Tale”. Bernardine Evaristo, a primeira autora negra a receber o Booker Prize, foi homenageada por seu romance "Girl, Woman, Other", no qual ela conta as histórias de doze pessoas muito diferentes na Inglaterra. O Prêmio Booker é concedido a romances escritos em inglês e publicados na Grã-Bretanha.

O prêmio deste ano faz de Margaret Atwood a segunda autora, depois de Hilary Mantle, a ganhar o Booker duas vezes. Atwood recebeu seu primeiro Booker Prize em 2000 por "The Blind Assassin". Seu maior sucesso, "The Handmaid's Tale", foi selecionado em 1986, assim como seus romances "Cat's Eye" (1989), "Alias Grace" (1996), e "Oryx e Crake" (2003). O atual romance vencedor, "The Testaments", foi publicado simultaneamente pelas da Penguin Random House nos EUA (Nan A. Talese / Doubleday), Canadá (McClelland & Stewart), Grã-Bretanha, Austrália, Nova Zelândia, África do Sul e Índia (ambos Chatto e Windus). A Penguin Random House Audio lançou o audiobook que o acompanha. "The Testaments" foi direto ao topo das listas de mais vendidos nos EUA, Canadá e Grã-Bretanha.

"É emocionante ver minha querida amiga e autora de longa data Margaret Atwood merecidamente receber seu segundo prêmio Booker por 'The Testaments'", diz Nan Talese, presidente e editor da Nan A. Talese / Doubleday. "Ter 'The Testaments' contemplado com este prêmio - trinta e cinco anos depois que ela criou a história de Offred - mostra que Margaret permanece no auge de seus poderes literários". Jared Bland, editor canadense da McClelland & Stewart, afirmou que "o incrível sucesso global do mais recente romance de Margaret Atwood, 'The Testaments', lembra a todos nós como é amado esse ícone canadense em todo o mundo". Bland também acrescentou que esta honra é uma maneira de reconhecer um trabalho notável e importante. Becky Hardie, vice-diretora de publicação da Chatto & Windus também comemorou a vitória de Margaret. "Atwood lançou o 'The Testaments' aqui em Londres no dia em que nosso parlamento foi prorrogado e o livro foi instantaneamente adotado como um poderoso símbolo político. É para isso que serve a literatura e parece tão absolutamente certo que este livro e autora tenham ganho este importante prêmio”.

A segunda vencedora do Booker Prize de 2019, “Girl, Woman, Other”, de Bernardine Evaristo, foi publicada no Reino Unido por Hamish Hamilton, marca da Penguin Random House no Reino Unido. Seu romance conta a história de doze pessoas muito diferentes na Grã-Bretanha entre 19 e 93 anos, cada uma narrando de sua própria perspectiva. Foi aclamado por jornais, incluindo o Guardian, como um “marco na literatura britânica”. Como ativista literária da inclusão, Bernardine Evaristo fundou várias iniciativas bem-sucedidas, incluindo a agência Spread the Word para o desenvolvimento de escritores, a mentoria The Complete Works para poetas negros e o Prêmio Internacional Brunel de Poesia Africana. Simon Prosser, diretor de publicações da Hamish Hamilton, comentou a vitória da autora no Booker Prize, afirmando “que momento extraordinário e feliz - para Bernardine, por seu trabalho, por nós e por escritores britânicos negros. Com um talento único e uma voz própria, Bernardine é uma presença vital, reveladora e alegre na ficção britânica há mais de duas décadas”.

Somente nesta década, os editores da Penguin Random House foram vencedores de três Booker Prize, além de vários outros finalistas: Richard Flanagan ganhou o Booker de 2014 por “The Narrow Road To The Deep North”, Marlon James venceu em 2015 com “A Brief History Of Seven Killings”; e George Saunders foi o vencedor do Booker de 2017 em "Lincoln In The Bardo". Além de Margaret Atwood e Bernardine Evaristo, outros dois autores da Penguin Random House estavam entre os seis finalistas finalistas deste ano: Salman Rushdie com "Quichotte" e Elif Shafak com "10 Minutos 38 segundos neste mundo estranho. ”