Notícias | São Paulo, 02/01/2020

Lista anual dos Livros do Ano: forte presença de títulos da Companhia das Letras

Todos os anos, a renomada revista de literatura brasileira “451” publica sua lista dos melhores livros do ano. Este ano, a Companhia das Letras, editora da Penguin Random House, tem sete dos 17 títulos da lista - mais do que qualquer outra editora do país. A lista dos mais vendidos no Brasil está estruturada em cinco categorias: "Ficção", "Não-ficção", "Poesia", "Livros infantis" e "Livros científicos". Em duas dessas categorias, a Companhia das Letras ocupa o primeiro lugar: o romance de Roberto Bolaño, "Uma literatura nazista na América", ocupa o primeiro lugar na categoria Ficção, enquanto "O oráculo da noite", de Sidarta Ribeiro, lidera a categoria Livros de Ciências.

A Companhia das Letras também obteve sucesso na apresentação dos prêmios anuais da Associação Paulista de Críticos de Arte - APCA. O prêmio especial dos críticos de arte foi para a atriz Fernanda Montenegro, cuja biografia foi publicada pela Companhia das Letras em 2019. Além disso, cinco dos títulos da editora foram homenageados com o Prêmio APCA 2019 como os melhores livros do ano.

Títulos da Companhia das Letras na lista anual de Livros do Ano da revista de literatura “451”:


FICÇÃO

  • 1º lugar: “A literatura nazista na América” de Roberto Bolaño
  • 2º lugar: “A fúria e outros contos” de Silvina Ocampo
  • 3º lugar: “Marrom e amarelo” de Paulo Scott

NÃO-FICÇÃO

  • 2º lugar: “Ideias para adiar o fim do mundo” de Ailton Krenak

LIVROS INFANTIS

  • 2º lugar: “Da minha janela” de Otávio Júnior

LIVROS DE CIÊNCIA

  • 1º lugar: “O oráculo da noit” de Sidarta Ribeiro
  • 3º lugar: “A Terra inabitável” de David Wallace-Wells

Títulos da Companhia das Letras premiados pela Associação Paulista de Críticos de Arte:

  • “Crocodilo” de Javier Arancibia Contreras
  • “Crime da Galeria de Cristal” de Boris Fausto
  • “Enfim, capivaras” de Luisa Geisler
  • “Redemoinho em dia quente” de Jarid Arraes
  • “jogo da amarelinha” de Julio Cortázar