Press Release | São Paulo, 06/07/2016

Bertelsmann traz exposição ‘Last Folio’ pela primeira vez à América Latina

  • Fotos e impressões, que partem da vida judaica na Eslováquia para contar uma história universal sobre a preservação das memórias, são exibidas em São Paulo, a partir de 19 de agosto
  • A exposição é a primeira iniciativa cultural que a Bertelsmann traz este ano para o Brasil, um mercado em crescimento para o Grupo

A Bertelsmann, grupo internacional de mídia, serviços e educação, traz pela primeira vez à América Latina a exposição “Last Folio – Preservando Memórias”. A partir da inauguração, em 18 de agosto, 66 imagens selecionadas pelo renomado fotógrafo Yuri Dojc estarão em exibição por dois meses, em São Paulo, na Unibes, que comemora seu primeiro aniversário. Dojc passou anos rastreando os que seriam, possivelmente, os últimos testemunhos da cultura histórica judaica na Eslováquia – primeiro por conta própria e, em seguida, a partir de 2005, com a cineasta Katya Krausova. O resultado são imagens comoventes de preservação da memória, como edifícios abandonados e livros deixados para trás, assim como retratos de sobreviventes do regime nazista. Neste ponto, a exposição se conecta com muitos desses sobreviventes, que vieram para o Brasil e hoje formam uma grande comunidade no país.

A Bertelsmann já apresentou as fotos, únicas em sua autenticidade e intensidade, no ano passado, em Berlim, como parte das comemorações pelo 70º aniversário do fim da Segunda Guerra Mundial. Na época, a exposição, altamente aclamada, atraiu milhares de visitantes. A abertura da exposição terá a participação de Thomas Rabe, presidente e CEO da Bertelsmann, companhia que mantém operações no Brasil há 40 anos e agora está expandindo sua presença no país.

A mostra “Last Folio” já passou por vários países além da Alemanha, como EUA, Reino Unido, Rússia, Eslováquia e Itália. Já foi exibida nas sedes da Comissão Europeia, em Bruxelas, e da ONU, em Nova York. Agora estará à disposição do público brasileiro, de 19 de agosto a 22 de outubro, na Unibes.

“O Brasil é um mercado em crescimento e de grande importância para a Bertelsmann. Queremos desempenhar um papel maior, tanto econômico quanto social”, declara o CEO. Essa vontade se expressa no aumento de investimento, bem como no engajamento em iniciativas culturais e sociais. “Como uma empresa de mídia com mais de 180 anos, é nossa prioridade preservar bens culturais valiosos e torná-los acessíveis ao grande público. É o que acontece com as fotografias do ‘Last Folio’, que refletem uma forte identidade judaica e, ao mesmo tempo, transmitem importantes mensagens históricas”, afirma Rabe, para quem o projeto de Yuri Dojc e Katya Krausova também ilustra o poder dos livros de transcender gerações e épocas.

A Bertelsmann tem sido ativa na publicação de livros desde sua fundação, em 1835. Hoje, uma de suas principais divisões inclui o maior grupo editorial do mundo, Penguin Random House, que detém participação na editora brasileira Companhia das Letras. O Grupo atua em empresas de serviços (Arvato), produção de TV (Fremantle Media), direitos musicais (BMG) e editora de revistas (Motor Press Brasil), no país. Seu foco se volta, atualmente, para fundos e investimentos diretos no crescente setor de educação. Em 2012, a Bertelsmann inaugurou seu Centro Corporativo em São Paulo, para acelerar ainda mais a expansão de seus negócios. É este Centro Corporativo que também coordena a apresentação da exposição “Last Folio” no Brasil.

Sobre o “Last Folio”

As fotografias de Dojc e as filmagens de Krausova registram a grande destruição que a 2º Guerrra Mundial deixou na Eslováquia. Mostram sinagogas e prédios escolares desertos, artefatos religiosos, livros e mais livros, que estavam sendo lidos, ensinados e celebrados até o momento das deportações em massa para os campos de concentração. A exposição também contempla retratos contemporâneos de testemunhas do Holocausto que, assim como as fotografias e filmagens, nos levam a aprender com o passado e a manter vivas as memórias.

Yuri Dojc e Katya Krausova nasceram na antiga Checoslováquia e deixaram sua terra natal em 1968, por razões políticas. Em 1997, Dojc começou a viajar para a Eslováquia repetidamente para criar retratos de sobreviventes do Holocausto e, a partir de 2005, Katya Krausova juntou-se a ele nessas visitas a seu país de origem. Yuri Dojc agora vive no Canadá como fotógrafo reconhecido internacionalmente. Seu trabalho está exposto nas coleções da National Gallery no Canadá, na Biblioteca do Congresso em Washington e no Museu Nacional da Eslováquia, entre outros. Katya Krausova vive em Londres, onde é cofundadora da Portobello Pictures, companhia de produção televisiva e cinematográfica que ganhou o Oscar de Melhor Filme Estrangeiro com “Kolya” em 1997. “Last Folio” tornou-se um foco na vida de ambos os artistas.

Exposição “Last Folio”

Noite de abertura: 18 de agosto de 2016

Abertura ao público: 19 de agosto de 2016, com duração de dois meses (até 22 de outubro de 2016)

Local: Unibes, Rua Oscar Freire, 2.500 – Sumaré, São Paulo/SP, 01426-001

Horário: Segunda a Sábado das 10h às 18h, com permanência até as 19h. Entrada franca.