Press Release | Gütersloh / Nova York, 01/04/2020

Bertelsmann conclui aquisição completa da Penguin Random House

  • Bertelsmann é única proprietária do maior grupo de publicações comerciais do mundo
  • Thomas Rabe, CEO da Bertelsmann: Penguin Random House continuará com crescimento orgânico e por meio de aquisições

A Bertelsmann agora possui 100% das ações do maior grupo editorial do mundo, a Penguin Random House, com sede em Nova York. A empresa internacional de mídia, serviços e educação concluiu a aquisição da participação remanescente de 25% da co-acionista Pearson após receber todas as aprovações regulatórias necessárias. A Penguin Random House compreende cerca de 320 editoras em seis continentes, com mais de 15 mil novas publicações e mais de 600 milhões de livros vendidos por ano. Para a Bertelsmann, a transação, avaliada em aproximadamente US$ 675 milhões, é economicamente atrativa, já que a participação dos acionistas da Bertelsmann no lucro do grupo aumentará em mais de € 70 milhões por ano.

"A conclusão desta transação tem uma dimensão histórica para a Bertelsmann. 185 anos após a fundação da C. Bertelsmann Verlag pelo gráfico e encadernador Carl Bertelsmann, nossa empresa se tornará a única proprietária da incontestável líder global de mercado na publicação de livros", disse Thomas Rabe, presidente e CEO da Bertelsmann e presidente do Conselho de Administração da Penguin Random House. "Temos orgulho da diversidade criativa, qualidade editorial e força comercial e empreendedora de nosso negócio de editorial, ao qual muitos dos mais populares autores de todo o mundo confiam seu trabalho literário”.

Thomas Rabe afirmou que a Bertelsmann pretende desenvolver a Penguin Random House a longo prazo e com continuidade. "Garantiremos que os nossos negócios em livros possam continuar a se expandir através de crescimento orgânico e aquisições no futuro, e continuar a ser um lar para os melhores talentos criativos do mundo. Livros em todos os formatos têm um futuro brilhante. Seu alto grau de relevância é particularmente evidente no presente momento em que estamos, durante a crise do coronavírus, quando muitas pessoas buscam conhecimento e entretenimento - e o encontram nos livros".

A aquisição completa da Penguin Random House anunciada em dezembro de 2019 foi aprovada pela União Europeia por meio de um procedimento simplificado em meados de março e, posteriormente, também pelas autoridades da concorrência austríacas.

Com a conclusão da aquisição das ações, a Verlagsgruppe Random House, em alemão, também está sendo integrada à Penguin Random House. As 45 editoras do grupo de Munique já pertencem à Bertelsmann, reportando-se a Markus Dohle, CEO da Penguin Random House; agora eles fazem parte da família Penguin Random House. Sua independência de publicação permanece inalterada.

A renomada lista de autores da Penguin Random House inclui John Grisham, Dan Brown, Barack e Michelle Obama e Toni Morrison. No ano passado, 496 dos títulos do grupo editorial entraram nas listas de best-sellers do New York Times; mais de 80 autores da Penguin Random House receberam o Nobel.

História

1835

O tipógrafo e encadernador Carl Bertelsmann funda a editora C. Bertelsmann em Gütersloh. A tradição cristã protestante predomina no catálogo dos primeiros 100 anos da história da editora. Pouco a pouco a editora acrescenta filologia, história, literatura infantojuvenil e escritos missionários ao seu programa.


1928

A Bertelsmann dá início à sua atividade na literatura ficcional publicando “narrativa literária” em revistas protestantes.

 

1933–1945

A tradição cristã conservadora da casa vincula-se nitidamente, tanto no programa quanto na cultura corporativa, à ideologia nazista. Após a irrupção da Segunda Guerra Mundial, a editora – como maior fornecedora de livros das Forças Armadas Alemãs – lucra, sobretudo, com a venda de livros para soldados. Em decorrência do processo pela aquisição ilegal de estoques de papel e da mobilização de toda a economia alemã, a editora C. Bertelsmann é fechada em 1944. A partir de 1999, um comitê histórico independente conduzido pelo historiador Saul Friedländer pesquisa a história da editora Bertelsmann durante o nazismo. O relatório final Bertelsmann im Dritten Reich (A Bertelsmann no Terceiro Reich) é publicado em 2002 pela editora C. Bertelsmann.

 

a partir de 1950

A Bertelsmann funda seu clube de leitura. O sucesso marca o início de uma nova era na história da empresa e firma a base para a ascensão da editora como a empresa global de mídia, serviços e educação que é hoje.

 

1968

Onze editoras da Bertelsmann são organizacionalmente reunidas no grupo editorial Bertelsmann (a partir de 2001: grupo editorial Random House).

 

1977

A Bertelsmann expande consideravelmente seus negócios no ramo de livros com a aquisição da editora Goldmann bem como participações nas editoras Plaza y Janes (Espanha) e Bantam Books (EUA).

 

1986

A Bertelsmann compra a editora americana Doubleday e agrupa suas editoras americanas um ano depois no Bantam Doubleday Dell Publishing Group.

 

1998

A Bertelsmann adquire a editora americana Random House. Seus autores incluem, entre outros, Truman Capote, John Irving, Philip Roth, John Le Carré, Michael Crichton, Salman Rushdie, Anne Rice e Margaret Atwood. O grupo se funde com a Bantam Doubleday Dell. A partir de 2001, a Random House torna-se o nome mundial que engloba todas as atividades editoriais da Bertelsmann no ramo de livros.

 

2013

Em 1º de julho, a Bertelsmann e a Pearson fundem seus negócios editoriais de livros – Random House e Penguin Group – e assim se tornam o maior grupo editorial do mundo. Com 53%, a Bertelsmann detém maioria de participação na empresa resultante da fusão, a Penguin Random House, enquanto a Pearson detém 47%. Por meio de aquisições, a Penguin Random House torna-se então a número um no mercado literário em língua espanhola, entre outros. Os diversos campeões de vendas do grupo incluem, entre outros, as edições em inglês de 50 tons de cinza, A garota no trem e a série Game of Thrones. A autora Alice Munro, publicada pela Penguin Random House, ganha em 2013 o Prêmio Nobel de Literatura e se torna um dos mais de 70 autores do Grupo homenageados com um Prêmio Nobel.

 

2017

A Bertelsmann adquire mais 22% de participação na Penguin Random House do sócio parceiro Pearson e assim atinge sua meta estratégica de participação no grupo editorial global unificado.

 

2020

A Bertelsmann aumenta suas participações na Penguin Random House para 100% e torna-se proprietária única do maior grupo editorial do mundo.

 

Sobre a Bertelsmann

A Bertelsmann é uma empresa de mídia, serviços e educação que atua em cerca de 50 países no mundo todo. O conglomerado empresarial compreende o grupo televisivo RTL Group, o grupo de editoras de livros Penguin Random House, a editora de revistas Gruner + Jahr, a empresa de música BMG, a prestadora de serviços Arvato, o Bertelsmann Printing Group, o Bertelsmann Education Group e a rede internacional de fundos Bertelsmann Investments. Com 126 mil funcionários, a empresa registrou no exercício de 2019 um faturamento de 18 bilhões de euros. A Bertelsmann é sinônimo de espírito empreendedor e criatividade. Tal combinação viabiliza conteúdos de mídia da mais alta qualidade e soluções inovadoras em serviços que fascinam clientes em todo o mundo. A Bertelsmann tem como objetivo atingir a neutralidade climática até 2030.