Notícias | Berlim, 22/08/2019

'A Crazy Night' na tela - uma noite maravilhosa fora da tela

Quando o museu Alte Nationalgalerie, em Berlim, brilha em um vermelho atmosférico ao entardecer e uma grande tela com várias fileiras de cadeiras promete uma experiência de cinema muito especial ao seu lado , muitos transeuntes da Ilha dos Museus se sente obrigado a parar, pegar os seus celulares e capturar a bela vista com suas câmeras. Este também foi o caso da noite de ontem à noite, quando a Bertelsmann e a UFA abriram o "UFA Film Nights" no Kolonnadenhof pela nona vez. Cerca de mil visitantes reuniram-se no festival de cinema mudo, que já é uma referência na agenda cultural da capital alemã, e experimentaram uma noite verdadeiramente excelente sob as estrelas em um lindo e quente verão.

“A Crazy Night” foi o título do clássico do cinema  que levou o público de Berlim a uma viagem inusitada de volta ao tempo para os selvagens anos de 1920. Com seus gracejos, seu elenco hilário e muita diversão, o filme de 1926 ainda garante uma atmosfera alegre e muitas risadas até hoje - e sem uma única palavra dita. O clássico, que há muito tempo acreditava-se estar perdido e depois foi redescoberto no Gosfilmofond, Russian State Archive, foi restaurado digitalmente este ano e a versão revisada foi exibida pela primeira vez no "UFA Film Nights". Outra estreia foi a nova trilha sonora composta por Frido ter Beek e a renomada pianista holandesa Maud Nelissen, comissionada pela ZDF e pela Arte. Ontem à noite, foi tocada ao vivo pela orquestra de filmes The Sprockets, que já havia encantado o público no "UFA Film Nights" de 2018 com o acompanhamento musical de "Apaches of Paris". E, finalmente, a edição deste ano do Bertelsmann e do festival de cinema mudo da UFA apresentou outra novidade: pela primeira vez, não havia apenas música ao vivo, mas também canto ao vivo. O compositor Fred Raymond, juntamente com Austin Egen, escreveu sucessos como “Verzeih mir und sei wieder gut” (Perdoe-me e seja bom de novo) e “Es muss nicht immer Hummer sein” (Nem sempre tem que ser Lagosta) para “A Crazy Night” - para o deleite do público.

O fascínio dos filmes mudos

"Os filmes mudos  perderam nada de seu fascínio em mais de um século. Eles ainda encantam e inspiram as pessoas, como pode ser visto pela resposta extremamente positiva dos fãs de cinema de Berlim à nona edição do 'UFA Film Nights', disse o presidente & CEO da Bertelsmann, comentando sobre a importância do cinema mudo. "Como a maior empresa de mídia da Europa e empresa-mãe da UFA, a Bertelsmann sente uma responsabilidade particular em preservar as conquistas criativas das gerações passadas. É por isso que trabalhamos ativamente para salvaguardar o legado dos filmes mudos alemães, restaurando digitalmente as películas em perigo de decomposição e apresentando-os ao público".

O CEO da UFA, Nico Hofmann, acrescentou que "estou feliz que o 'UFA Film Nights' se tornaram uma marca atraente do verão cultural de Berlim. Com esta série de eventos, fornecemos uma plataforma proeminente para a inovação visual, estética e técnica do filme de Weimar, que a UFA desempenhou um papel importante na moldagem da época".

Antes da exibição na Ilha dos Museus, a Bertelsmann e a UFA receberam quase 400 convidados para uma recepção no Bertelsmann Unter den Linden 1. Seus convidados incluíram atrizes e atores conhecidos, personalidades culturais, além de políticos. Além do ator Uwe Ochsenknecht, que apresentou o filme, e do célebre DJ Jeff Mills, que fez a trilha sonora do filme mudo "Woman in the Moon", as atrizes e atores Dennenesch Zoudé, Samuel Finzi, Daniel Donskoy, Burghart Klaußner, Inka Friedrich, Maria Ehrich e Hans-Werner Meyer também estiveram presentes. Entre os convidados estavam os prestigiados representantes do mundo da cultura, como o presidente da Fundação do Legado Cultural Prussiano, Hermann Parzinger, e o diretor artístico da companhia de teatro Berliner Ensemble, Oliver Reese, além do CEO da Axel Springer SE, Mathias Döpfner, e vários embaixadores e representantes proeminentes da mídia.

Karin Schlautmann, líder de Comunicação Corporativa da Bertelsmann, recebeu os convidados no terraço  das instalações do Grupo, em Berlim. "A Bertelsmann está empenhada em trazer as realizações criativas do passado para o nosso tempo e continuar celebrando os antigos sucessos e trazendo-os à vida", enfatizou. A executiva também apontou a importância do festival de cinema mudo para além de Berlim: agora o 'UFA Film Nights' também acontece em Bruxelas, Madri e até Nova York. É um evento verdadeiramente internacional”.

"Filme de pipoca da era do cinema mudo"

Equipado com cobertores - porque apesar do verão, as temperaturas caíram rapidamente à noite - às oito e meia, os convidados caminharam para a Ilha dos Museus. O ator Uwe Ochsenknecht os cumprimentou e deu uma introdução ao filme da noite. "'A Crazy Night' é um filme de pipoca da era do cinema mudo. Livre de qualquer significado mais profundo, vigoroso e inusitado e ainda completamente inofensivo", explicou. "O filme é comédia pura e simples. E, se você olhar de perto, até mesmo as expressões faciais dos atores revelam que eles estavam se divertindo muito”.

A plateia em Berlim claramente compartilhou desta diversão, "A Crazy Night" foi acompanhada por risadas quase constantes durante a exibição - e os aplausos no final incluíram até alguns assobios apreciativos. Baseado em uma revista musical popular da época imperial, Richard Oswald conta a história de um fabricante de inseticidas das províncias indo para Berlim, seguindo uma estrela de vaudeville que era apaixonado e é pego em um turbilhão de aventuras voluntárias e involuntárias. Ele conhece garotas de capa de revista, policiais, rajás indianos e lutadores profissionais. Os cenários mudam entre restaurantes reluzentes e cafés cintilantes com pistas de dança para bares de má reputação e delegacias de polícia. Filmado em locações originais, o filme de Oswald também oferece um retrato impressionante de uma cidade de quatro milhões de habitantes com seu dia a dia frenético, suas obras em construção e seus contrastes sociais.

Qualquer um que não conseguisse um ingresso este ano - o que poderia acontecer facilmente, já que os ingressos para as duas primeiras noites do "UFA Film Nights" foram vendidos logo após a venda - conseguia assistir à transmissão ao vivo nos canais do Facebook do ARTE Concert, Bertelsmann e UFA. A ARTE também transmitirá o filme silencioso restaurado em 26 de agosto de 2019.

Mais "silêncio" na programação

Este ano, a "UFA Film Nights 2019" contará com a obra prima de Fritz Lang e sua visão em "Woman in the Moon". O DJ Jeff Mills fará a música. Mills já fez o acompanhamento musical de "Metropolis" no "UFA Film Nights" de 2017. Friedemann Beyer, historiador de cinema e curador do "UFA Film Nights" dará ao público uma visão geral do significado de "Woman in the Moon". 

A mostra dos próximos dias apresentará "Madame Dubarry", filme épico de Ernst Lubitsch ambientado na era da Revolução Francesa, que foi lançado há cem anos como o primeiro filme exibido no Zoológico de Berlim, o Zoo Palast. A música é encomendada por Ekkehard Wölk e o conjunto Ancien Régime com uma nova composição de Ekkehard Wölk. O filme será apresentado por Friedemann Beyer. Quem quiser conhecer a atmosfera particular das "UFA Cinema Nights" terá uma última chance amanhã: ainda há alguns ingressos para o evento de sexta à noite. No mês de setembro, a Bertelsmann e a UFA levarão novamente as "UFA Cinema Nights" a Bruxelas... Sem dúvida, será também uma noite fantástica.