Notícias | São Paulo, 24/01/2018

Innovation@Bertelsmann: A escolha de médicos e estudantes

O novo livro da Bertelsmann Corporate Communications, "Innovation @ Bertelsmann", da série "Qual é a sua história?", destaca pessoas inovadoras, projetos e produtos de todas as divisões corporativas. A história do provedor brasileiro de educação online Medcel, no qual o fundo de investimento Bertelsmann BBI possui uma participação, é um dos capítulos do livro. 

Innovation@Bertelsmann: A escolha de médicos e estudantes

O provedor brasileiro de educação online Medcel, fundado em 2004, apoia os estudantes de medicina na preparação para os exames e ajuda os médicos a se tornar melhores profissionais. Para alcançar seus objetivos, a empresa, na qual o fundo de investimento BBI da Bertelsmann possui uma participação através do fundo Bozano desde a primavera de 2016, agora usa a realidade virtual.

O Brasil experimentou tempos difíceis, econômica e politicamente, nos últimos anos. No entanto, a crise não atingiu todas as empresas na mesma medida. Pelo contrário. O provedor de educação online Medcel, por exemplo, no qual o fundo BBI (Bertelsmann Brasil Investments) da Bertelsmann possui participação por meio do fundo de investimento Bozano Educational II, conseguiu crescer seu negócio ano após ano. O número de estudantes de medicina e médicos que usam Medcel para se preparar para os exames de licenciamento ou especialista aumentou de 9.000 para mais de 15.000 em três anos. "A educação sempre é necessária - em tempos de crise, bem como de tempos de boom", diz Julio De Angeli, CEO da Medcel, ao explicar por que ele acha que a empresa é tão bem-sucedida mesmo durante a crise. A Medcel cresceu, em média, 50% durante cada um dos últimos anos. "A oportunidade está lá - e nosso produto está ficando cada vez melhor", acredita De Angeli.

O nosso produto consiste, principalmente, em muitos cursos em vídeo online sobre tópicos abordados no treinamento médico. A biblioteca online da Medcel compreende aproximadamente 2.000 horas de conteúdo profissional em vídeo, juntamente com numerosos livros didáticos para acompanhar os cursos individuais. E o mercado de educação e treinamento online, conhecido como Ensino à Distância, está crescendo de forma constante neste país. Seguindo um poderoso impulso patrocinado pelo governo para ampliar a educação médica, cerca de 120 mil universitários estão, atualmente, cursando medicina em 260 universidades no Brasil. E enquanto os alunos passam os primeiros quatro anos de treinamento junto às universidades, eles começam os últimos dois anos da escola com treinamento médico prático. Durante esta fase, muitos se preparam para os próximos exames de residência com a ajuda dos cursos em vídeo da Medcel.

Idealmente, a Medcel acompanhará os médicos durante toda a vida profissional. A empresa de ensino a distância ajuda os alunos das universidades a se preparar para os exames. Ela apoia médicos novatos no próximo passo, ou seja, no treinamento para se tornar um médico especialista registrado. E apoia médicos na sua formação contínua e educação. "Queremos ser o destino de escolha para estudantes e médicos quando se trata de exames, certificados e treinamento avançado", diz Julio De Angeli, "e queremos ajudar os médicos do nosso país a se tornar médicos ainda melhores".

Melhorar o treinamento dos médicos como um todo foi o ponto que inspirou o fundador da empresa, Atílio Barbosa, a estabelecer a Medcel em 2004. Barbosa era médico e desejava começar a atuar como especialista, mas não havia maneira para completar o treinamento necessário em qualquer lugar próximo. Ele reconheceu o nicho de mercado e começou a desenvolver sua própria startup de Ensino a Distância. No início, os participantes acessaram os cursos à distância por satélite; mais tarde, a Medcel se tornou online. "No entanto, a ideia básica de ensino à distância para profissionais médicos permaneceu a mesma coisa", diz Julio De Angeli, "e oferecemos os melhores professores e os melhores materiais didáticos no país para esse propósito". Aparentemente, um número crescente de brasileiros estudantes de medicina e médicos concordam. A Medcel, com seus 110 funcionários e aproximadamente 50 professores - quase todos eles atuando como médicos, muitos deles em hospitais - agora conta com 12% do mercado.

A entrada da Bozano e, portanto, da Bertelsmann como acionistas na primavera de 2016, marcou um importante giro para a Medcel. Ao dar esse passo, a empresa obteve não só capital fresco, mas também uma grande quantidade de know-how profissional. "No passado, a Medcel era uma empresa familiar típica", diz Julio De Angeli. "Graças à Bozano e à Bertelsmann, nos tornamos mais profissionais em nossas estruturas e análises, ou simplesmente colocamos em nossa governança geral." Por exemplo, a Medcel agora possui um conselho de supervisão e um código para um comportamento ético apropriado. Adicione a isso a entrada ao lado do conteúdo dos especialistas da Bozano, que são muito bem preparados no panorama educacional brasileiro e têm excelentes contatos. A empresa também se beneficia da experiência da Bertelsmann em publicações e criação de conteúdo, diz ele. "Desde então, fundamentalmente revisamos nossas estruturas e introduzimos novos processos para nos ajudar a crescer", diz o CEO da Medcel. Para o negócio do provedor de Ensino a Distância, o modelo é altamente escalável; isto é, pode ser facilmente transferido para outros campos e grupos-alvo - "desde que tenhamos as estruturas necessárias no lugar".

Novas áreas de negócio

Além do alcance oferecido diretamente a estudantes e médicos, no ano passado, a Medcel começou a explorar outra linha de negócios: o desenvolvimento de cursos online para universidades. Uma nova lei permite que as universidades brasileiras ofereçam até 20% de seu conteúdo de estudo através de cursos online. "Já fomos abordados por várias universidades, especialmente instituições privadas", diz o CEO da Medcel, De Angeli. Outra nova linha de negócios é o treinamento para enfermeiros e fisioterapeutas. "Aqui, tivemos sucesso ao oferecer os primeiros cursos em vídeo online na prática de cuidados de emergência", conta Julio De Angeli. "No entanto, ainda estamos resolvendo esse mercado em particular". O CEO acredita que o treinamento de profissionais de saúde é um negócio promissor, já que a Medcel poderá aproveitar sua experiência em termos de conteúdo, produção de videoconferências online e marketing.

Além de abordar novos grupos-alvo, a Medcel também continua adicionando novos canais para alcançar estudantes e médicos para tornar a aprendizagem ainda mais eficiente para eles. Este ano, pela primeira vez, a empresa oferece um curso no qual os alunos podem aprender usando realidade virtual. "Alguns dos exames médicos mais importantes, tanto teóricos como práticos, simulam casos de doenças específicos aos quais os alunos precisam responder com o diagnóstico e tratamento adequados", explica Julio De Angeli. A Medcel já simulou essas práticas em cursos de vídeo online no passado. "O uso da realidade virtual não só permite aos alunos praticar a administração do tratamento, mas também experimentar todo o ambiente graças à simulação de 360 graus - o que torna o treinamento ainda mais parecido com a vida real", diz o CEO da Medcel. O uso da realidade virtual foi muito bem recebido pelos alunos. "Esta foi a primeira vez que algo assim foi oferecido no Brasil e os alunos adoraram", conta De Angeli. Um resultado é que a Medcel foi contactada pela Samsung e agora está trabalhando com a fabricante sul-coreana de eletrônicos em um projeto de realidade virtual em uma das maiores universidades médicas do Brasil.

O rosto da empresa

Além da realidade virtual, a Medcel também está usando cada vez mais as mídias sociais para alcançar seus grupos-alvo. "Uma coisa em que estamos trabalhando é dar aos nossos professores mais visibilidade em canais como o Facebook, porque eles são realmente o rosto da nossa empresa", diz De Angeli. O celular também está se tornando cada vez mais importante, já que os clientes da Medcel estão usando cada vez mais os serviços em dispositivos móveis - não apenas em casa, mas também no hospital ou durante a viagem. "Nós fornecemos um serviço; queremos que nossos produtos ajudem os alunos a se tornarem mais eficientes ", enfatiza Julio De Angeli. "No final, queremos que eles digam: Uau, é exatamente isso que precisamos".