Notícias | Gütersloh, 30/06/2017

Fundamos a rede de colaboradores "be.queer"

A convite do diretor de Recursos Humanos da Bertelsmann Immanuel Hermreck, representantes da recém-criada rede de funcionários "be.queer" se reuniram no Centro Corporativo de Gütersloh no mês passado. "Be.queer" é a primeira rede de colaboradores entre as divisões da Bertelsmann que procura explicitamente promover um ambiente de trabalho aberto para todos - independentemente de sua identidade e orientação sexual. "Estou feliz por ver essa iniciativa vir da companhia", avaliou Hermreck.

Em Inglês, a palavra "queer” refere-se a qualquer identidade ou orientação sexual diferente da heterossexualidade. É usada de forma intercambiável com o acrônimo LGBT/LGBTIQ, que representam lésbicas, gays, bissexuais, transexuais, intersexuais e afins. Os participantes da reunião no Centro Corporativo discutiram sobre "ser queer" na Bertelsmann e os objetivos da rede. Também exploraram o papel da identidade e orientação sexual na vida profissional e a importância que o projeto irá criar para a Bertelsmann.

"Criando um clima de confiança e respeito mútuo"

No dia-a-dia profissional de pessoas "queer", às vezes acontecem situações que os colaboradores heterossexuais nem imaginam, como viagens de negócios para países onde pessoas LGBTIQ enfrentam a ameaças. Isso também inclui convites para eventos oficiais da empresa ou reuniões privadas entre colegas de trabalho. Os colaboradores LGBTIQ podem trazer seus parceiros do mesmo sexo para eventos da Bertelsmann? Ou deveriam estar sozinhos para não atrair a atenção? "Como companhia, temos a responsabilidade de criar um clima de respeito mútuo e confiança. Portanto, a orientação sexual e a identidade de nossos colegas não devem ser tabu”, afirma Hermreck. “Os funcionários que se sintam bem-vindos e valorizados podem também contribuir plenamente para o sucesso da Bertelsmann".

A rede "be.queer" abrange todas as empresas alemãs Bertelsmann e foi fundada por representantes do Grupo RTL, Gruner + Jahr, BMG, o próprio Centro Corporativo, Arvato, Bertelsmann Printing Group e Verlagsgruppe Random House. A "be.queer" oferece um fórum onde os funcionários podem conhecer e trocar suas experiências do dia-a-dia na companhia. "Não se trata de um tratamento especial", explica Carsten Schicker, Vice-Presidente Sênior Corporativo de Controle e Estratégia da Bertelsmann. "Queremos promover um diálogo sobre LGBTIQ dentro do Grupo e desmantelar quaisquer preocupações e medos que possam existir em ambos os lados. É por isso que estamos interessados em expandir a rede rapidamente, de modo a permitir uma troca tão ampla e diversificada quanto possível".

Contribuindo para a Bertelsmann

Além disso, a "be.queer" quer contribuir para a imagem da Bertelsmann como um empregador e parceira de negócios. "Estudos mostram que uma cultura corporativa respeitosa com a comunidade LGBTIQ fortalece a satisfação, motivação e lealdade dos colaboradores", comenta o fundador Lars Fröhlich, diretor-assistente do departamento gestão de clientes da Verlagsgruppe Random House. "Nossas atividades contribuem positivamente para a cultura corporativa da Bertelsmann". 

Para aprender ainda mais com outras empresas e oferecer seminários relevantes, a Bertelsmann juntou-se à “Prout at Work”, fundação criada em 2013 e atualmente conta com redes LGBTIQ em 21 empresas internacionais. Ao incluir a marca "Prout Employer" na página inicial da Bertelsmann e nos sites da divisão, a companhia demonstra também o seu compromisso com a diversidade mundo afora.

Aberto a novos membros

O encontro com Hermreck marcou o lançamento oficial da "be.queer". A rede está aberta a novos membros e tem como objetivo se espalhar para todos os níveis do Grupo. Estão previstas atividades como encontros locais, apoio no " Christopher Street Days " e em eventos de carreira.

Contatos em todas as divisões:

  • Carsten Schicker (Centro Corporativo/Bertelsmann Investments)
  • Rhys Noelke (Grupo RTL)
  • Lars Fröhlich (Verlagsgruppe Random House)
  • Jens Maier (Gruner + Jahr)
  • Robert Stegmüller (BMG)
  • Kathleen Hendriks (Arvato CRM Solutions)
  • Michael Lauk (Arvato Financial Solutions)
  • Kathinka Melhor (Arvato SCM Solutions)
  • Marco Lauss (Bertelsmann Printing Group)

Para mais informações entre em contato com be.queer@bertelsmann.de

Aliás, 17 de maio é o Dia Internacional contra a Homofobia. Em 1990, a Organização Mundial de Saúde (OMS) removeu a homossexualidade da lista das doenças mentais. A aceitação de homossexuais, bi e transexuais, desde então, tem melhorado em várias partes do mundo. Mas mesmo hoje ainda existem países em que pessoas com uma orientação sexual diferente do que o que é percebido como “certo” são discriminadas, perseguidas e punidas drasticamente. Ainda há muito o que fazer - incluindo as empresas.