Press Release | Gütersloh / Nova York / Londres, 05/10/2017

Bertelsmann conclui o aumento da participação na Penguin Random House em 75 por cento

  • Grupo alemão agora possui três-quartos da maior companhia do mundo
  • O CEO da Bertelsmann, Thomas Rabe, será o presidente do Conselho de Administrativo da Penguin Random House a partir de 1º de janeiro de 2018

A companhia internacional de mídia, serviços e educação Bertelsmann agora possui três-quartos da Penguin Random House. Os dois acionistas do maior grupo editorial do mundo, a Bertelsmann e a empresa britânica de educação global Pearson, concordaram em uma nova estrutura em julho deste ano. Agora que a transação foi finalizada, o Grupo alemão detém 75% da companhia de livros e a Pearson 25 por cento. Como parte do aumento da participação, o valor da Penguin Random House foi fixado em US$ 3,55 bilhões.

"A Bertelsmann possui a mais ampla gama de produtos criativos do que qualquer empresa em ao redor do mundo - e o negócio editorial atua como parte fundamental da nossa identidade há mais de 180 anos” afirmou Thomas Rabe, presidente e CEO do Grupo alemão. “Dessa forma, hoje é marco estratégico. Um primeiro marco para nós em vários aspectos. Primeiro, os três-quartos da Penguin Random House aumentará a participação nos lucros dos acionistas da Bertelsmann em mais de 60 milhões de euros. Em segundo lugar, agora temos os pré-requisitos ideais para o desenvolvimento da Penguin Random House, que já é o número um no mundo do livro. E, em terceiro lugar, agora possuímos maiorias estratégicas em todas as divisões corporativas da Bertelsmann: 75% da RTL Group e Penguin Random House, 100% de todas as outras divisões", completa o executivo.

A finalização do aumento da participação fortalece os direitos de governança da Bertelsmann na Penguin Random House. Thomas Rabe será o novo presidente do Conselho Administrativo do grupo editorial a partir de 1º de janeiro de 2018 e a Bertelsmann terá quatro representantes neste conselho, a Pearson terá dois.

A independência das mais de 250 editoras não é afetada pelo aumento da participação. Separadamente, a Verlagsgruppe Random House, na Alemanha, ainda é totalmente controlada pela Bertelsmann. Markus Dohle, membro do Conselho Executivo da Bertelsmann e CEO da Penguin Random House desde o início da fusão continuará a dirigir a empresa.

“Hoje é um bom dia para a Penguin Random House. O compromisso de nossos dois acionistas fundadores garante a estabilidade e nos permite continuar a concentrar-nos plenamente no trabalho criativo de nossos autores. Continuaremos a publicar os melhores livros e histórias para nossos leitores. Ambos os acionistas apoiam plenamente esse objetivo", assegurou Dohle. 

A Penguin Random House é composta por cerca de 250 editoras individuais espalhadas pelos cinco continentes que publicam mais de 15 mil novos livros por ano. Os renomados autores do grupo incluem John Grisham, Dan Brown, Barack Obama e Michelle Obama e Paula Hawkins. No ano passado, 585 dos títulos do grupo editorial entraram para a lista de best-sellers do The New York Times. E mais de 60 autores da Penguin Random House ganharam o Prêmio Nobel.

Linha do tempo

1835

Carl Bertelsmann, gráfico e encadernador, fundou o C. Bertelsmann Verlag em 1835. Durante os 100 primeiros anos, o projeto foi dominado pela tradição cristã protestante. Suas publicações foram gradualmente expandidas para incluir filologia, história e literatura juvenil, bem como literatura de missão.

1928

Bertelsmann lança seu programa de publicação de ficção com "literatura narrativa" em revistas protestantes.

1933-1945

A tradição cristã conservadora da editora está cada vez mais ligada à ideologia nacionalista socialista em seu programa e cultura corporativa. Após o início da Segunda Guerra Mundial, a editora - a maior fornecedora de livros para as Forças Armadas Alemãs - gera lucros, principalmente com a venda das edições "Feldpost". No entanto, um processo relativo à aquisição ilegal de papeis, somando a mobilização de toda a economia alemã, leva ao encerramento da C. Bertelsmann Verlag, em 1944. A partir de 1999, a Comissão Histórica Independente, sob a direção do historiador Saul Friedländer, pesquisou a história da Bertelsmann durante a período do nacional-socialismo. Seu relatório "Bertelsmann no Terceiro Reich" foi publicado em 2002, por C. Bertelsmann Verlag.

A partir de 1950

A Bertelsmann funda o clube de leitura Lesering. O sucesso marca o início de uma nova era na história da empresa e cria as bases para seu crescimento, tornando-se o grupo global de mídia, serviços e educação que é hoje.

1968

Onze empresas de publicação separadas da Bertelsmann estão agrupadas organizacionalmente na Verlagsgruppe Bertelsmann (a partir de 2001: Verlagsgruppe Random House).

1977

A Bertelsmann amplia consideravelmente o seu negócio de livros ao assumir a Goldmann Verlag e adquirir participações nas editoras Plaza y Janes (Espanha) e Bantam Books (EUA).

1986

A Bertelsmann compra a editora americana Doubleday e, um ano depois, agrupa suas editoras dos EUA para formar o Bantam Doubleday Dell Publishing Group.

1998

A Bertelsmann adquire a editora americana Random House, com uma lista de autores incluindo Maya Angelou, William Faulkner, Philip Roth, John le Carré, Julia Child, Toni Morrison, Thomas Mann, Salman Rushdie e Anne Rice. O grupo é incorporado ao Bantam Doubleday Dell. A partir de 2001, a Random House torna-se o guarda-chuva das atividades globais de publicação de livros da Bertelsmann.

2013

Em 1 de julho, a Bertelsmann e a Pearson combinam seus negócios de publicação de livros - Random House e Penguin Group – para criar o maior grupo editorial do mundo. A Bertelsmann é a maior proprietária da empresa Penguin Random House, com uma participação de 53 por cento, enquanto a Pearson possui 47 por cento. Por meio de aquisições, a Penguin Random House se torna, posteriormente, líder no mercado de literário em língua espanhola, entre outros. Os vários best-sellers do grupo incluem "50 Shades of Gray", "The Girl on the Train" e a série "Game of Thrones". O autor Alice Munro, da Penguin Random House, ganha o Prêmio Nobel de Literatura 2013; ao todo, mais de 60 autores da Penguin Random House receberam prêmios Nobel.

2017

A Bertelsmann adquire mais 22 por cento das ações da Penguin Random House da Pearson, atingindo sua meta estratégica no único grupo mundial de publicação global.