Press Release | Gütersloh / Nova York / Londres, 12/07/2017

Bertelsmann amplia sua participação na Penguin Random House para 75%

Lista da revista americana Fortune destaca a Bertelsmann como uma das empresas mais admiradas do mundo no setor de entretenimento
  • Grupo alemão adquire 22% das ações da Pearson
  • Estratégica ampliação de três quartos na maior editora do mundo
  • A britânica Pearson permanece como acionista da Penguin Random House, com 25 por cento de participação
  • Para Thomas Rabe, CEO da companhia, "o negócio dos livros faz parte da identidade da Bertelsmann"

A Bertelsmann ampliou significativamente sua participação na Penguin Random House, maior grupo editorial do mundo. A empresa internacional de mídia, serviços e educação adquiriu mais 22 por cento das ações na Penguin Random House do co-proprietário Pearson, empresa britânica de mídia e educação. Isso dará à Bertelsmann uma participação de 75 por cento no grupo de livros, cujo valor empresarial foi fixado em US$ 3,55 bilhões. A aquisição de ações está sujeita à aprovação das autoridades competentes.

"A Penguin Random House é uma história de sucesso. Completamos a integração em um tempo muito curto e hoje o grupo é claramente o líder mundial na publicação de livros”, afirma Thomas Rabe, presidente e CEO da Bertelsmann. “Estamos muito contentes porque o negócio do livro faz parte da identidade da Bertelsmann há mais de 180 anos. Além disso, a transação é muito atraente do ponto de vista econômico, já que os ganhos atribuíveis aos acionistas da Bertelsmann aumentarão em mais de 60 milhões de euros”.

Ao garantir uma maioria estratégica de três quartos, a Bertelsmann garante direitos de governança na Penguin Random House e, entre outras coisas, nomeará o presidente do conselho de administração no grupo editorial. Os restantes 25 por cento das ações da empresa, fundada com a fusão das editoras Random House e Penguin Group em 1 de julho de 2013, devem continuar com a Pearson. Markus Dohle, membro Conselho Executivo da Bertelsmann e CEO da Penguin Random House desde a fusão, continuará a liderar a companhia.

“A transação de hoje também é um compromisso renovado da Bertelsmann com o valor do conteúdo na era digital. Agora possuímos 75 por cento do Grupo RTL e 75 por cento da Penguin Random House; também 100 por cento do Gruner + Jahr e BMG, onde aumentamos nossas ações nos últimos anos”, continua Rabe. “Consequentemente, alcançamos nosso objetivo de maiorias estratégicas em todos os nossos negócios de conteúdo. A Bertelsmann é a empresa com a oferta criativa mais variada do mundo”.

O aumento da participação da Bertelsmann não tem consequências para a Penguin Random House; a autonomia dos mais de 250 grupos editoriais continua intacta. Verlagsgruppe Random House, na Alemanha, permanecerá controlado pela Bertelsmann.

"A Bertelsmann e a Pearson chegaram a um acordo em termos e condições para a aquisição de ações da Penguin Random House. O nosso excelente desempenho operacional e o atual ambiente de baixo interesse nos oferecem condições ideais para financiar a transação em termos extremamente favoráveis”, comentou Bernd Hirsch, CFO da Bertelsmann. “Ainda temos margem de manobra financeira necessária para investir em todas as oito divisões conforme planejado".

Para Markus Dohle, CEO da Penguin Random House, “tudo o que a Bertelsmann e a Pearson acabaram de negociar é o símbolo de uma grande continuidade e estabilidade para Penguin Random House – o que também se torna é a melhor solução para os autores, parceiros, editores e todos os colaboradores. Podemos e continuaremos a nos concentrar nos trabalhos criativos de nossos autores, e com isso, publicando os melhores livros e histórias para nossos leitores”.

A Penguin Random House tem cerca de 250 editoras espalhadas por cinco continentes, que publicam mais de 15 mil novos livros a cada ano. Entre os autores mais famosos do grupo, estão John Grisham, Dan Brown, Barack e Michelle Obama e Paula Hawkins. No ano passado, 585 dos títulos do grupo editorial entraram nas listas de best-sellers do "New York Times". Mais de 70 autores da Penguin Random House ganharam o Prêmio Nobel.